A Fundação Banco do Brasil e o Museu da Amazônia (Musa), coordenador do projeto, assinam nesta terça, às 12h30, nas dependências do Musa, no Jardim Botânico Adolpho Ducke, avenida Uirapuru (antiga Margarita), Cidade de Deus, um contrato de R$ 1,2 milhão para fortalecimento da Rede Maniva de Agroecologia do Amazonas (Rema). A solenidade começa às 10h30, com a apresentação do projeto, cujo objetivo principal é o aperfeiçoamento ou implantação de estruturas e processos agroecológicos em um total de 58 Unidades de Referência Agroecológica – UR’s nos municípios de Manaus, Presidente Figueiredo, Rio Preto da Eva e Itacoatiara.

Unidades de Referência são áreas localizadas nas propriedades dos agricultores nas quais são trabalhados processos e práticas no sentido de construir sistemas agrícolas mais integrados e caminhar em direção à conversão agroecológica dessas unidades de produção. No total, serão mais de 2.000 beneficiários com ações de capacitação e assistência técnica para agricultores familiares, jovens e técnicos.

Construção_24315

O projeto prevê investimentos no aumento e expansão da produção e comercialização orgânica e agroextrativista, visando o aumento da renda familiar e a disponibilidade de produtos conscientes no mercado. Em paralelo, incentivará a interação dos atores e instituições envolvidas, na divulgação e valorização do movimento agroecológico na região, consolidação do Organismo Participativo de Avaliação da Conformidade – OPAC Maniva, para garantia e comercialização dos produtos agroecológicos, orgânicos e agroextrativistas dos pequenos produtores regionais.

Os quatro núcleos de atuação da Rede Maniva de Agroecologia estão distribuídos em Manaus e entorno (Projeto de Assentamento Água Branca e Puraquequara – Manaus, Presidente Figueiredo e Projeto de Assentamento Tarumã Mirim – Manaus, Comunidades do Baixo Rio Negro – Manaus e Rio Preto da Eva e Itacoatiara). A base central dos encontros de capacitação dos produtores será o Centro de Treinamento Agroflorestal (CTA) do MUSA, no Núcleo PA Água Branca e Puraquequara. No entanto, os outros núcleos também servirão como bases de difusão de tecnologias e práticas agroecológicas nas comunidades da região.

O projeto faz parte do Ecoforte, programa de fortalecimento e ampliação das redes de agroecologia, extrativismo e produção orgânica, executado pela Fundação Banco do Brasil e pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS), Ministério do Trabalho e Emprego (TEM), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Banco do Brasil.

Estarão presentes o ministro em exercício da Secretaria-Geral da Presidência da República, Diogo de Sant’ana e uma comitiva de 25 representantes de Ministérios, da Fundação Banco do Brasil e do BNDES; diretor do Museu da Amazônia; coordenador do Projeto no Musa, além de representantes da Rede Maniva de Agroecologia e lideranças agroecológicas da região.

PROGRAMAÇÃO

10h30: Apresentação do projeto do ECOFORTE e a forma como ele se integra ao projeto de rede da região

11h: Fala das autoridades e integrantes da Mesa, Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República – SG/PR, representantes dos ministérios, representantes da Fundação Banco do Brasil e do BNDES, Diretor do Museu da Amazônia, Coordenador do Projeto, outros representantes da Rede Maniva de Agorecologia – REMA e lideranças agroecológicas da região.

12h30: Assinatura do contrato

13h: Visita as instalações do Musa: torre de observação da floresta; exposições Peixe & Gente e Sapos, Peixes e Musgos; e caminhada nas trilhas com visita ao angelim-pedra de 500 anos