Dia 16 de janeiro de 2015, recebemos no Musa um visitante bastante curioso. Foi encontrado, passeando próximo do Laboratório Experimental de Borboletas, um pequeno ouriço-cacheiro (chamado algumas vezes de porco-espinho, devido ao formato do focinho).

Os ouriços-cacheiros se alimentam de frutos maduros e verdes, coquinhos, brotos e folhas, que encontram durante a noite, período em que estão em atividade. Seu largo e bulboso nariz auxilia na localização dos frutos comestíveis, assim como de parceiros na época reprodutiva. Seus espinhos, roliços e pontiagudos, se desprendem facilmente quando tocados, mas os ouriços não são capazes de lançá-los, como muitos acreditam. 

Apesar da aparência “gordinha”, os ouriços-cacheiros são rápidos no solo e muito ágeis nos galhos das árvores. Para se deslocarem pelas árvores, os ouriços contam, além das quatro patas, com uma cauda forte e muscular, que funciona como um quinto braço.

Algumas espécies apresentam apenas espinhos recobrindo o corpo, enquanto outras podem também apresentar longos pelos. No Brasil encontramos apenas um gênero, Coendou, e cerca de 20 espécies, porém pouco da sua biologia e história natural é conhecido, e estes animais tão peculiares merecem especial atenção dos pesquisadores!

Texto Felipe Bittioli Gomes / Musa • 28/01/2015