O Observatório de Aves do Instituto Butantan:
pesquisa, conservação e ensino

Palestrante: Erika Hingst-Zaher (Museu Biológico, Instituto Butantan)

O Instituto Butantan, órgão da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, é um tradicional centro de pesquisa biomédica e de produção imunobiológicos, além de conceituado centro de pesquisa em biodiversidade e toxinologia, e desde sua criação, em 1899, projetou-se como um espaço para divulgação da Ciência e Cultura. Situa-se em um parque urbano de aproximadamente 80 hectares, dos quais mais de 60% são cobertos por formações secundárias da Mata Atlântica, representando um importante refúgio para a fauna dentro da área urbana de uma das maiores metrópoles do mundo. Destaca-se, sobretudo, sua importância para avifauna, representada no Parque por mais de 110 espécies. Dentro desse contexto, o parque representa uma área estratégica não apenas para a realização de estudos sobre a fauna, mas também para propiciar a interação entre o público com componentes da biodiversidade.

A missão do Observatório de Aves – Instituto Butantan é conduzir o monitoramento contínuo da avifauna, através de censo e anilhamento realizados  especialmente nas áreas do Parque, e promover ações relacionadas à conservação da biodiversidade por meio da pesquisa e de atividades de educação e divulgação para diferentes públicos.

Um importante propósito do monitoramento da avifauna realizado pelo Butantan diz respeito às atividades de vigilância epidemiológica, especialmente relacionado aos vírus, como os da influenza, e outros organismos de interesse em saúde pública a serem desenvolvidas em parcerias com outros laboratórios de pesquisa do Instituto. O Observatório desenvolve e oferece ainda atividades de educação ambiental e divulgação científica, utilizando as aves como modelo para apresentar para o público conceitos chaves relacionados à prática científica, uma das principais atividades-fim do Instituto Butantan, bem como abordar aspectos evolutivos e de conservação dos ecossistemas. Estas atividades estão abertas aos cerca de 300 mil visitantes anuais que frequentam o Instituto, incluindo saídas mensais para a observação de aves, palestras e cursos.

Durante o colóquio, os participantes vão poder conhecer em maiores detalhes a proposta do projeto, os detalhes dos estudos realizados e das atividades oferecidas aos visitantes do parque.