Um novo espaço cultural

Bem em frente ao Teatro Amazonas, no Largo São Sebastião, o Musa adaptou um amplo galpão para realizar exposições, conferências, recitais.

Um espaço dedicado ao debate e à popularização da ciência, das artes e da cultura, à memória e à história da Amazônia.

Um galpão onde apresentar ao público da cidade uma amostra das surpreendentes instalações e memoráveis exposições que o visitante encontra ao percorrer trilhas e tendas do Musa Jardim Botânico.

A primeira exposição, agora em cartaz, é uma homenagem ao consagrado artista desana Feliciano Lana.

Feliciano Pimentel Lana (Kenhiporã, “filho dos desenhos dos sonhos”) nasceu na aldeia São João Batista, no rio Tiquié, em 1937. O pai, Manuel Lana, era desana e a mãe, Paulina Pimentel, tukano. Trabalhou como mecânico, agricultor e seringueiro. Nos anos 1960 conheceu o escritor Márcio Souza, a antropóloga Berta Ribeiro, do Museu Nacional, e o padre Casimiro Bécksta, colaborando intensamente com eles no registro e ilustração dos mitos e histórias das culturas indígenas do rio Negro.

Conheça o mito do Diabo sem Cu e a origem dos sarapós
Conheça o mito de Diadoe e a origem do matapi e dos pirarucus e traíras
Conheça o mito de Kamaueni e a origem do aracu-de-pau e outros peixes

Localização do Musa do Largo

Contato

Notícias relacionadas:
Musa apoia a I Mostra do Cinema Amazonense
Encontro sobre mudanças climáticas