A Reserva Florestal Adolpho Ducke é uma das poucas florestas primárias em área urbana do mundo. Caminhar pelas trilhas dessa floresta é um convite para ver e ouvir de perto a deslumbrante diversidade de pássaros e insetos, folhas, cipós em busca do sol… perceber perfumes, odores de resinas, madeiras compostas e decompostas, luzes e sombras.

Se as árvores e os insetos fossem livros, estaríamos percorrendo as estantes de uma biblioteca. Páginas que contam histórias de dez mil anos, adaptações de milhões. Tempo bastante para que a natureza tenha escondido nelas segredos que nos fascinam e que queremos decifrar.

Ao caminhar na floresta somos todos um pouco índios, botânicos ou ecologistas. Encantados queremos encantar, perceber e ser percebidos.

Cuidado para não se perder nesse caminhar. Confundem-se as referências, de onde venho? para onde vou? Conta a história que um visitante levou uma meada de muito fio, que foi desenrolando na medida em que caminhava; para voltar foi fácil, bastou recolher o fio. Outro visitante preferiu ser acompanhado por um monitor experiente…

Galerias de fotos relacionadas:
Aracnídeos
Aves
Borboletas
Insetos
Lagartos
Mamíferos
Rãs, sapos e pererecas
Árvores e cipós
Coleta botânica
Flores

Notícias relacionadas:
Visita espinhosa no Musa
Camuflagem: capítulo 1
Camuflagem: capítulo 2
Camuflagem: capítulo 3
Camuflagem: capítulo 4
Camuflagem: capítulo 5
Camuflagem: epílogo
Lagarto-verde
Phyllomedusa
Mãe-da-lua ou urutaus
No Musa ele tem moradia garantida
Novos habitantes do Museu da Amazônia
Nossos novos habitantes ganharam o mundo
Preguiça-de-bentinho
E quando chove na floresta… Os sapos fazem a festa!
O que escondem as bromélias?
A morte de um angelim de 500 anos