O Museu da Amazônia – MUSA – lamenta a perda do artista plástico Feliciano Pimentel Lana, aos 83 anos nesta terça-feira (12/05) em São Gabriel da Cachoeira, no Alto Rio Negro, Amazonas.

Feliciano contribuiu com sua arte, conhecimentos da história, mitos e das lendas de seu povo na concepção e curadoria participativa das Exposições “Peixe e Gente” e “Aturás Mandiocas Beijus” do MUSA. Os originais de suas aquarelas estão expostas no Musa do Largo, no Centro de Manaus. No Largo, também pintou o grande painel que representa a fachada de uma grande maloca.  Conhecido internacionalmente expôs suas pinturas na Alemanha, França e Áustria. Recentemente o British Museum, de Londres, solicitou a ele aquarelas para ilustrar painéis de uma exposição sobre redes de dormir.

Feliciano Pimentel Lana nasceu na aldeia São João Batista, no rio Tiquié, em 1937. O pai, Manuel Lana, era desana e a mãe, Paulina Pimentel, tukano. Trabalhou como mecânico, agricultor e seringueiro. Nos anos 1960 conheceu a antropóloga Berta Ribeiro, do Museu Nacional, e o padre Casimiro Bécksta, colaborando intensamente com eles no registro e ilustração dos mitos e histórias das culturas indígenas do rio Negro.

Solidarizamo-nos com a família, amigos e colegas da arte e cultura nesse momento de luto e tristeza profunda.

Ennio Candotti – Diretor do Museu da Amazônia