Caros amigos, caras amigas do Musa

A grave crise sanitária e financeira que tem sucedido à contaminação da população pela Covid-19, em Manaus e em toda parte, causou sérios prejuízos ao Musa Jardim Botânico.

O fechamento dos portões durante três meses nos privou da principal fonte de sustento nos últimos dois anos, e para a manutenção das instalações contamos com a dedicação de funcionários heroicos.

Lançamos recentemente a campanha Amicus Flora em que convidamos os amigos
da floresta a adotar uma árvore. Muito prestigiada, a adoção contaminou o
espírito solidário de sócios e amigos, e demonstrou que são muitos os que querem
“viver juntos” com as árvores e as flores.

Com o entusiasmo renovado por essa manifestação de apoio, convidamos agora amigos e empresas a contribuir com a doação de uma quantidade maior de recursos.

Nossos objetivos com esses novos recursos são:

1. Criar um fundo de reserva que permita dar ao Musa maior estabilidade financeira.

2. Criar e manter casas, pavilhões e espaços dedicados às orquídeas,
borboletas, fungos, aracnídeos, serpentes, peixes e samambaias, assim como
o lago das vitórias-amazônicas e o jardim sensorial.

Para que possamos alcançar nossos objetivos, convidamos os amigos a subscrever uma cota de:

                R$ 1.000, R$ 10.000, R$ 50.000 ou R$ 100.000.

Um grande painel na entrada do Musa Jardim Botânico registrará, ao longo de
dois anos, o nome do amigo ou o nome e a logomarca da empresa doadora.
Esses nomes e logomarcas serão impressos também em painéis fixados na entrada das casas, pavilhões ou espaços dedicados a uma das finalidades cuja criação
e/ou manutenção 
o doador queira apoiar.

Ofereceremos ainda aos doadores 5 ingressos para a doação de R$ 1.000,
20 ingressos para a doação de R$ 10.000, 100 para a doação de R$ 50.000
e 200 para a de R$ 100.000 – ingressos a serem utilizados durante o período
de um ano.

Com os melhores agradecimentos pela atenção, contamos com o seu apoio.

Com cordialidade,

Ennio Candotti
Diretor do Musa

As etapas para se tornar um Amigo do Musa são:

1. Entrar em contato pelo e-mail amigosdomusa@museudaamazonia.org.br
para obter mais informações sobre os mencionados projetos:*
i. Fundo de estabilidade financeira
ii. Orquidário e bromeliário
iii. Borboletário
iv. Fungário
v. Casa dos aracnídeos
vi. Serpentário
vii. Aquários
viii. Recanto das samambaias
ix. Lago das vitórias-amazônicas
x. Jardim sensorial

2. Efetuar depósito bancário no valor de R$ 1.000, R$ 10.000, R$ 50.000
ou R$ 100.000 para:

Museu da Amazônia
CNPJ 10.795.098/0001-74
Banco do Brasil – Agência 3053-8 – Conta-corrente 37300-1
Código swift para pagamento no exterior: BRASBRRJBHE

3. Enviar o comprovante para o e-mail amigosdomusa@museudaamazonia.org.br
mencionando ainda:
• o projeto* que deseja apoiar
• o endereço ou e-mail para onde deveremos enviar o vale correspondente aos
5, 20, 100 ou 200 ingressos prometidos e
• o nome ou logomarca que devemos incluir no painel de doadores, na entrada
do Musa, e na casa, pavilhão ou espaço que deseja apoiar e/ou manter.

Projetos

i. Fundo de estabilidade financeira (fundo de endowment)

O fundo, também denominado fiduciário, tem por objetivo oferecer estabilidade financeira ao custeio da manutenção básica do Musa.

Os recursos depositados ou o patrimônio doado com essa finalidade são administrados por um comitê gestor nomeado pelo Conselho de Administração
do Musa.

O compromisso que orienta a gestão desses recursos é de utilizar, para custeio
de atividades e serviços, apenas os rendimentos desses recursos investidos em atividades produtivas.

Partes do principal, como se denominam os recursos doados e investidos, somente poderão ser utilizadas em custeios do Musa em casos excepcionais e com a autorização do comitê gestor, em caráter emergencial.

Assim, por exemplo, se o principal do fundo for de R$ 1.000.000 e o rendimento anual for de R$ 100.000, apenas estes rendimentos poderão ser utilizados para custeio de atividades do Musa.

ii. Orquidário e bromeliário

O Orquidário e bromeliário Nora Benchimol Minev foi construído com recursos
doados pela senhora Nora Minev. Ele ocupa uma área de 300 m2 e abriga cerca de 200 orquídeas de 56 espécies presentes na floresta da Reserva Ducke, onde o Musa está instalado em um pequeno fragmento periférico. Nesse pavilhão se encontram também 8 espécies de bromélias.

A manutenção do orquidário tem um custo de cerca R$ 60.000 por ano (para custeio de consultoria especializada e manutenção do pavilhão).

Gostaríamos de ampliar o espaço e o número de espécies expostas. Estimamos que, para ampliar em 100 mo pavilhão do orquidário e acrescentar nele mais 20 espécies de orquídeas que encontramos na Ducke, precisaremos investir R$ 45.000.

iii. Borboletário

Construímos na trilha branca um borboletário de 50 m2, onde vivem cerca de
50 borboletas de 5 espécies. Equipamos também um pequeno laboratório onde criamos essas borboletas.

Queremos agora construir um novo borboletário, uma construção circular de 10 m
de diâmetro e 8 m de altura, localizada ao lado do orquidário.

O custo estimado desse pavilhão, semelhante ao do orquidário, é de R$ 40.000, e a manutenção do borboletário tem um custo anual de R$ 68.000 (distribuídos entre consultoria especializada, remuneração de um técnico e um biólogo, e despesas de conservação do pavilhão).

iv. Fungário

Construímos na trilha branca um pequeno pavilhão dedicado ao cultivo e exposição de fungos com recursos doados pelo jovem Samuel Minev Benzecry.

Encontramos nesse espaço 21 fungos identificados ao nível de espécie, 18 ao nível de gênero, 3 novas espécies e uma amostra de um gênero novo.

A manutenção do fungário custa cerca de R$ 62.000 por ano (consultoria, remuneração de um técnico e um biólogo especializados, além das despesas de conservação do espaço).

v. Casa dos aracnídeos

Abrimos recentemente na trilha branca uma casa para abrigar os aracnídeos em terrários e espaços preparados para recebê-los, além de totens e painéis explicativos dos hábitos, sensores e características desses fascinantes octópodes.

O custo de manutenção da casa dos aracnídeos é de R$ 68.000 por ano (consultoria, remuneração de um biólogo especializado e despesas de conservação da casa).

vi. Serpentário

O serpentário ocupa uma casa construída na trilha laranja e recentemente reformada. Reunimos nele 13 serpentes de 6 espécies.

A coleção nos foi cedida pelo Instituto de Medicina Tropical Heitor Dourado, onde era mantido um ofidiário, hoje desativado, com o objetivo de pesquisar venenos e divulgar o conhecimento sobre os ofídios peçonhentos e não peçonhentos, ovíparos e vivíparos, além de promover o seu estudo no ensino formal na Amazônia.

O custo de sua manutenção é de R$ 72.000 por ano (consultorias, remuneração dos técnicos e biólogos e conservação da casa).

vii. Aquários

No Musa, mantemos 12 aquários: dois na tenda de entrada, três na tenda da exposição “Peixe e gente” e seis na exposição “Sapos, peixes e musgos”. Um aquário maior – com 6 m de comprimento, 2 m de largura e 2,5 m de altura –, financiado pelo CNPq e pelos amigos do Musa Denis e Luciana Minev, se encontra nas proximidades do lago e é muito visitado.

Encontramos nesses aquários 15 espécies de peixes amazônicos, entre eles pirarucus que cresceram no aquário e agora alcançam 1,5 m de comprimento.

Estamos planejando construir um novo tanque com 3 m de largura, 8 m de comprimento e 2,5 m de altura e oito grandes visores. Seu custo está estimado em R$ 200.000.

A manutenção dos atuais aquários custa R$ 120.000 por ano (consultoria, serviços técnicos, alimentos, bombas e remuneração de um biólogo especializado). Construindo um novo aquário, devemos acrescentar mais R$ 40.000 por ano às despesas atuais.

viii. Recanto das samambaias

Há um recanto aprazível ao lado do lago em que estamos cultivando samambaias, plantas muito antigas que surgiram há 400 milhões de anos e se reproduzem através de esporos. As angiospermas – plantas que se reproduzem por sementes e flores – que encontramos por toda a floresta surgiram muito tempo depois, há 150 milhões de anos.

Nesse recanto pretendemos construir um caramanchão e colocar totens e painéis explicativos. O custo estimado dos totens e painéis é de R$ 10.000, além de
R$ 40.000 anuaispara a manutenção do recanto (remuneração de um botânico especializado e um técnico em tempo parcial).

ix. Lago das vitórias-amazônicas

Uma das grandes atrações do Musa Jardim Botânico é o lago com as deslumbrantes vitórias-amazônicas, cantadas na literatura em versos e lendas. O lago e as vitórias exigem cuidados permanentes. Sua manutenção é dispendiosa, cerca de R$ 60.000 por ano para o custeio de serviços de conservação. Devemos instalar também painéis explicativos da surpreendente sucessão de cores entre o branco, muito branco e o roxo que observamos entre a manhã e o anoitecer. O custo dos painéis é modesto, R$ 5.000.

x. Jardim sensorial

Nas proximidades da lojinha, perto do bistrô Saberes e Sabores, reunimos plantas aromáticas utilizadas na perfumaria e na alimentação, além de espécies que possuem propriedades terapêuticas ou estão presentes nas cerimônias e cultivos das culturas tradicionais estudadas pela etnobotânica. Painéis e totens explicativos têm sido preparados com o objetivo de explicar e interpretar o significado dessas plantas.

Algumas mudas são vendidas na lojinha do Musa e são cultivadas em escala maior no CTA – Centro de Tecnologias Agroflorestais do Musa, localizado na região do ramal do Brasileirinho, onde funciona também um horto de apoio ao Musa Jardim Botânico.

O custeio do jardim sensorial é de R$ 60.000 por ano (consultoria etnobotânica e remuneração de um botânico e um técnico especializados).